BASF
Cogeração de energia

Investimentos em cogeração: Relatório apresenta situação das novas usinas

Análise mostra como estão as empresas em relação ao cronograma esperado e apresenta as duas usinas que estão com os projetos ameaçados


novaCana.com - 30 mai 2018 - 10:31

Por mais que a utilização do bagaço da cana-de-açúcar para a geração de energia siga atraindo investimentos das usinas, as flutuações nos preços e o momento de recuperação financeira que o setor está passando podem ser determinantes na concretização desses projetos.

No começo de maio, o novaCana publicou o mapa de cogeração, que traz as 14 usinas que estão investindo na produção de energia com maiores chances de sair do papel. Já outros empreendimentos que tinham dado entrada no projeto podem ter suas autorizações para construção ou ampliação revogadas.

Atualmente, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) acompanha 590 empresas que possuem outorga para ampliar ou implantar novos empreendimentos de cogeração. Do total, 120 projetos envolvem usinas termelétricas (UTEs), sendo que 11 deles se comprometeram a utilizar o bagaço de cana-de-açúcar como matéria-prima.

De 2017 para cá, o número de empresas do setor geradoras de energia acompanhadas pela Aneel diminuiu, demonstração da situação delicada dos produtores. Ainda assim, entre as unidades que ficaram na lista, apenas duas apresentam problemas grandes o suficiente para terem a pior avaliação, e a maioria mantêm uma boa perspectiva.

Confira a seguir a situação dessas unidades e os projetos que possuem a maior possibilidade de entrada no circuito comercial, cumprindo as obrigações adquiridas nos leilões de energia.

exclusivo assinantes

O texto completo desta página
está disponível apenas aos assinantes do site

veja como é fácil e rápido assinar