BASF

Práticas agrícolas na produção da cana


Práticas agrícolas corretas são imprescindíveis para a sustentabilidade da cultura da cana-de-açúcar. Esta área tem evoluído de forma contínua com efeitos significativos nos custos de produção, produtividade e longevidade dos canaviais.

Os principais pontos são: o desenvolvimento de equipamentos e implementos para reduzir a compactação dos solos, a aplicação correta de fertilizantes de acordo com a necessidade de cada talhão, sistemas mais racionais e econômicos de transporte da cana, adaptações das atividades agrícolas (plantio, adubação e aplicação de herbicidas) para os novos sistemas de colheita (mecanizada e sem a prática das queimadas) e o uso de maturadores químicos no início da safra.

O conceito de ambiente de produção, que seleciona as variedades a serem plantadas a partir dos mapas de solos e condições climáticas, e aplicação dos adubos nas quantidades otimizadas, está mudando radicalmente o dia a dia dos canaviais, contribuindo significativamente para a redução dos custos de produção da cana.

Apesar do vasto conhecimento e benefícios comprovados das tecnologias mais modernas para a produção de cana-de-açúcar, a difusão destas práticas tem ocorrido de forma lenta em algumas usinas. No nível nacional, é provável que os ganhos de produtividade e reduções de custos de produção sejam mais significativos com o nivelamento por cima do uso destas tecnologias existentes de que pelo uso das tecnologias inovadoras que continuam entrando. Em suma, é preciso encontrar meios de diminuir a inércia no uso de melhores práticas já comprovadas.

O gráfico mostra a variabilidade entre as usinas de dois indicadores econômicos importantes: a produtividade agrícola e o teor de sacarose da cana.

Controle de Produção Agronômica Mensal – Safra 05/06 – Acumulado até agosto Performance das usinas em toneladas de pol/hectare (TPH) – Cana própria.

Variação da produtividade agrícola e teor de sacarose entre usinas

Variação da produtividade agrícola e teor de sacarose entre usinas. Fonte: CTC (2004).